Juliano Pinheiro
Juliano Pinheiro
“Meu objetivo é compartilhar o que aprendi para que mais pessoas possam viver (e envelhecer) em paz, lidando com o dinheiro de forma saudável. Afinal, não ter dinheiro é problema. Mas é preciso saber cuidar para que o dinheiro traga felicidade.”

Sobre Juliano Pinheiro

Juliano Lima Pinheiro é referência em Gestão de Patrimônio e Curadoria de Mercado de Capitais. 

Ao longo de mais de 30 anos, construí uma trajetória profissional abrangente. Tenho vivência prática como executivo em instituições financeiras e gestoras de investimento; participo de conselhos das principais entidades de regulação e autorregulação do mercado financeiro e dedico-me ao ensino e à pesquisa acadêmica dentro e fora do Brasil.

No Mercado de Capitais, fui Gestor de Recursos na HH Picchioni e Superintendente Regional na Petra. Criei e fui Diretor de Gestão da Fiere Investimentos, na qual geria fundos de investimento e administrava carteiras para clientes. No Mercado Financeiro, atuei no BEMGE, na Diretoria do Banco Credireal e no Banco BBVA na Espanha.

No âmbito institucional, participei ativamente dos Conselhos da Anbima, Apimec e IMMC e na liderança do Grupo de Estudos Temático de Finanças do CRA. Atualmente, sou Vice Presidente Executivo do IBEF. Na carreira acadêmica, atuo em cursos de MBA, doutorado, mestrado e graduação do Ibmec, FDC, PUC e UFMG.

Prêmios recebidos

Em busca do novo

Sempre fui movido pelo gosto por novos desafios e pela busca constante e profunda por conhecimento. Sou especialista em Administração Financeira pela Fundação João Pinheiro e possuo MBA Executivo em Finanças pelo Ibmec. Em 2002, fui o primeiro estrangeiro a obter um título de Doutor pelo Departamento de Contabilidade e Finanças da Universidade de Zaragoza, na Espanha, e em tempo inferior à média da universidade. Uma instituição de renome, com cinco séculos de existência.

Não me aquietei com a possibilidade de me tornar catedrático na Universidade de Zaragoza. Aliás, nunca me acomodei com nenhuma das dimensões de minha atuação: acadêmica, corporativa e institucional. Então, voltei ao Brasil em busca de novos desafios também no mercado financeiro.

Gosto de ressaltar que prezo pela ética. Em qualquer ambiente, sempre me mantive distante de esquemas e comportamentos antiéticos.

Agora, ciente da bagagem que me trouxe até aqui, e como protagonista das profundas transformações tecnológicas e comportamentais pelas quais o mundo passa, quero ir além das “caixas” novamente.

Meu objetivo é compartilhar o que aprendi para que mais pessoas possam viver (e envelhecer) em paz, lidando com o dinheiro de forma saudável. Afinal, não ter dinheiro é problema. Mas é preciso saber cuidar para que o dinheiro traga felicidade.

Um pouco da História

Apesar da minha formação apontar sobre meu apreço à ordem e aos números, tenho uma natureza pouco cartesiana. Aos 18 anos, contrariei as três opções de carreira “de prestígio” da época (Medicina, Engenharia ou Direito), decidi pela Administração de Empresas. Ao final do curso na UNA, recebi, do Conselho Regional de Administração de Minas Gerais, o Prêmio de Mérito Alcançado no Bacharelado.

Contrariando expectativas, a habilidade com as pessoas –  e não os números – me conduziu a um patamar que nem eu imaginava. A facilidade em traduzir, transpor e comunicar conteúdos complexos para diversos públicos acabou consolidando minha carreira como educador em relevantes universidades brasileiras e estrangeiras.

As minhas habilidades didáticas e de comunicação se estenderam para a escrita, e acabei me tornando autor e organizador de publicações de relevância acadêmica e de mercado. É o caso do livro “Mercado de Capitais”, já na edição, com mais de 25 mil exemplares vendidos, do qual me orgulho.

Também recebi um convite da CVM para participar do livro “Análise de Investimentos”, no qual fiz uma síntese histórica das principais crises financeiras no mundo e uma análise das contribuições das diversas linhas de pensamento para a compreensão dessas “turbulências” que afetam a humanidade de tempos em tempos, de forma cíclica. Ainda gosto de citar o livro “Gestão de Risco no Mercado Financeiro”, no qual escrevi três capítulos e organizei um estudo completo sobre os diferentes tipos de risco, incertezas e ferramentas para lidar com o risco (e sua relação com reputação e compliance).

Também me dediquei a dezenas de artigos publicados em revistas e jornais de credibilidade acadêmica e na grande mídia, além de mais de 150 entrevistas desde a década de 2000 para os principais veículos de imprensa brasileiros.

E continuo escrevendo a minha história, sem a intenção de parar…